Diário de bordo: Orlando – Parte 3

Magic Kingdom 7

Leia a parte 1 e a parte 2 dessa viagem.

DÉCIMO DIA: BUSCH GARDENS

É fato que parques mais radicais deixam a gente mais moído. Eu não sei qual é a explicação científica para isso, mas senti na prática, possivelmente também porque já se acumulava o cansaço. Por isso, e porque somos bons glutões, fomos encher o tanque em outro restaurante da Disney, o ‘Ohana, que fica no Polynesian Village Resort (onde também fica o Kona Café). Aproveitei para comprar duas camisas havaianas autênticas para o meu pai, aquelas que eu tinha visto da última vez e não tinha comprado. Ele adorou.

A ambientação é linda, das melhores até agora. O atendimento é muito bom, como sempre, e o astral, alto. Os personagens que nos visitaram dessa vez foram Lilo, Stitch e Pluto. A comida é servida na mesa, e reposta quantas vezes você quiser. A fartura inicial nos impediu de repetir, mas estava tudo bom: ovos mexidos, linguiças, bacon, frutas, pães, batatas e Mickey Waffles.

Continuar lendo

Anúncios

Diário de bordo: Orlando – Parte 1

Rei Leão

Lá pelos meus 12 anos de idade, conhecer a Disney era um dos maiores objetivos da minha vida. Ainda muito nova para viajar sozinha, mas já capaz de encarar uma excursão com minha prima, da mesma idade que eu, decidimos que ir para a Disney poderia deixar de ser sonho e passar a ser plano.

Na época, com fontes de informações limitadas, o máximo que eu consegui fazer foi comprar uma revista na banca de jornal que acompanhava um VHS. Mas já era o máximo, para mim. Poder ver aquele mundinho em vídeo, e não só em fotos, era suficiente. Planejei o que pude, pesquisei agências de turismo que levavam crianças, mas tive meu sonho adiado. Meus pais eram bem tranquilos, e já tinham pré-concordado com a viagem. Tudo ia depender de como a excursão seria e quanto ela custaria.

Os meus tios não eram tão tranquilos assim, ou era essa a imagem que eu tinha do que minha prima contava, e ela acabou desistindo antes mesmo de consultá-los, com medo de levar um “não!”. Meus pais achavam que minha irmã era muito nova (ela tinha 10 anos) para ir comigo e eu acabei sem companhia para realizar meu sonho. Continuar lendo