Vídeo #30: fondue em casa, making of de entrevista e lidando com a saudade

A partir de hoje, e por tempo ainda indeterminado, os vídeos voltarão a ser semanais. Porque tenho deixado coisas importantes de lado para dar conta de dois vídeos por semana, inclusive escrever aqui, então tomei essa difícil decisão para conseguir me organizar e pensar em outras maneiras de criar mais conteúdo para vocês.

Mas nem todas as notícias são tristes. O vlog de hoje é muito especial para mim. Foi difícil editá-lo, porque eu me emocionava a todo momento. Talvez você não saiba, mas perdi minha mãe há nove anos (já falei sobre isso aqui no blog e em outros vídeos). E como temos feito nesses nove anos, comemorarmos seu aniversário como forma de manter a tradição. Continuar lendo

Anúncios

Dez lições que aprendi (ou confirmei) no último ano OU Reflexões de aniversário

eu 2016

Ontem completei 33 anos de vida, e embora não me importe mais tanto com aniversários, acho que datas como essas são especialmente boas para reflexão. Aquele balanço que a vida demanda de vez em quando. A gente vai vivendo a vida no automático porque não dá tempo nem de dormir direito e deixamos de fazer algo que justamente nos torna humanos e nos diferencia uns dos outros: pensar.

No poema de Manuel Bandeira, disse o médico: diga trinta e três. E assim o paciente descobriu que não lhe restava nada, a não ser tocar um tango argentino. Eu acho que os trinta são os novos vinte, e não me incomodo de avançar na idade, não. Sinto o peso: meu corpo não é mais complacente como antes, não posso comer tanto quanto comia e as ressacas são mais frequentes e intensas. E quanto mais me aproximo dos trinta e cinco, mais penso em duas questões cruciais: ser mãe e ter uma carreira de sucesso. Engraçado, no entanto, que esse ano, quanto mais meu aniversário se aproximava, mais passei a desconstruir ideias e pensamentos que tinha rígidos dentro de mim. E nada mais adequado que falar sobre as grandes lições que aprendi (ou confirmei) nesse último ano. Continuar lendo

Netflix, torrents e salas de cinema

TV

Há tempos tenho negligenciado as salas de cinema e tenho acompanhado mal e porcamente as publicações e críticas a respeito de cinema. Tendo me formado em Cinema e considerando a sétima arte uma de minhas grandes paixões, isso é inconcebível, eu sei. Mas tenho uma série de desculpas que justificam meus hábitos atuais.

Como boa paulistana, ou moradora de uma grande metrópole, me sinto oprimida, tanto pela oferta de atividades quanto pela quantidade de pessoas com as quais tenho que lidar no cotidiano, seja no trânsito, em filas ou em salas de cinema. Continuar lendo